imagem da secção
Circular 2016
Programa
linha
foto para Veleda Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão Veleda 23 Setembro | Sex | 18:00
Praça de São João (Mercado Municipal), Vila do Conde
Dança
foto para Veleda
Veleda
Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristóvão
“Maria Veleda revelou-se uma evidência, o ponto de partida para a criação deste solo. Pelo seu percurso de não compromisso. Pelas significações múltiplas da sua presença histórica desde a luta política metamorfoseada em opções radicais até à curiosidade da sua dedicação ao esoterismo, em paralelo com posturas sempre avançadas e dissonantes com o seu tempo no que diz respeito à mulher, à família, às relações interpessoais.  Pela particularidade do seu pseudónimo “Veleda” uma “Völvur” e o modo como este se conjuga em estranheza com o primeiro nome “Maria”: o arquétipo da mãe do cristianismo entrelaçado com o de uma profetisa guerreira impregnada de rebeldia e violência. O percurso partiu de espirais, de suspensões a traçar as fracturas do caminho. De um bater sempre presente a pedir necessidade, urgência de transformação, espírito de acção, contaminação, ironia e sarcasmo. De uma afirmação que não se compromete e não se cessa.” H.C.C & J.V.M.T

Concepção & Criação: Joana von Mayer Trindade & Hugo Calhim Cristovão | Performance: Joana von Mayer Trindade | Música: Viana Bombos - Grupo de Bombos da Casa dos Rapazes de Viana do Castelo | Colaboração especial: Valquíria Valhalladur | Agradecimentos: Orfeão do Porto, Viana Bombos - Grupo de Bombos da Casa dos Rapazes de Viana do Castelo (Rui Nascimento, Isabel Fernandes e Manuela Costa), Paulo Trindade e evidentemente Maria Veleda | Encomenda: Comissão Nacional para o Centenário da República, 2010 | Programação: Madalena Vitorino | Apoio à residência: Orfeão do Porto, Companhia Instável, Balleteatro

Artista Residente da Circular Associação Cultural

Site | Biografias

© DR
23 Setembro | Sex | 18:00
Praça de São João, Vila do Conde

Duração: 30'
Classificação etária: M6

__ 

Gratuito
foto para Rua Volmir Cordeiro Rua 24 Setembro | Sáb | 21:30
Teatro Municipal de Vila do Conde
Dança
foto para Rua
Rua
Volmir Cordeiro
A rua é abertura para outra rua. A rua inventa línguas, tipos; ela abriga os miseráveis e ela empresta a sua cena aos artistas que a tomam como refúgio. A vagabundagem é uma excelente invenção da rua. A rua inventou a classe, a raça, a angústia, o sangue. Da rua ninguém escapa, todo (o) mundo vai à rua. Ela agrupa os homens, as mulheres, as crianças, as manifestações sórdidas. Ela está aí para nós; e nós acreditamos no tornarmo-nos Nós quando nos juntamos nas ruas. Mentira. A rua selecciona, divide, limita, impede, dita. A rua não é a estrada. A rua não quer o mundo, ela contenta-se com a cidade. E na cidade, milhares de poetas. Os poemas, todos pulverizados. As rugas; as ruas são como rugas de um rosto: as ruas do rosto e as rugas do chão da cidade. Se eu digo que a rua tricota com o Céu, eu não exagero em nada. Eles têm, os dois, essa potência incrível de sentir as coisas, os seres, as matérias pobres. A pôr-se a nu. Esta Rua, que eu pretendo propor-vos, é aquela que sai à caça imparável dos sonhos que os edifícios nos roubaram.

Coreografia e interpretação: Volmir Cordeiro | Percussão: Washington Timbó | Design sonoro: Cristián Sotomayor | Criação Luz: Abigail Fowler | Operação Luz: Abigail Fowler ou Ludovic Rivière | Figurino: Vinca Alonso & Volmir Cordeiro | Produção: Margot Videcoq | Produção delegada: Météores | Co-produção: Ménagerie de Verre | Com o apoio de: Musée du Louvre, Laboratoires d’Aubervilliers, LE CND - Un centre d’art pour la danse, ICI - CCN Montpellier / Languedoc-Roussillon | Agradecimentos a Marcella Lista e Marcela Santander Corvalan.

Vídeo | Biografia

© Marc Domage
24 Setembro | Sáb | 21:30
Teatro Municipal de Vila do Conde
Dança

Estreia Nacional
Duração: 60´
Classificação etária: M6


__ 

Bilhetes e reservas
foto para Os Pescadores João Sousa Cardoso Os Pescadores 24 Setembro | Sáb | 22:45
Rua da Praia, Vila do Conde/Caxinas
Teatro
foto para Os Pescadores
Os Pescadores
João Sousa Cardoso
"Os Pescadores" de João Sousa Cardoso é um trabalho metateatral livremente inspirado na obra homónima de Raúl Brandão. Esta nova criação reflecte sobre as narrativas complexas e os códigos da representação, explorando as noções de masculinidade e de género, de trabalho e de sacrifício, de eros e de economia da morte. Se o mundo é governado pelos senhores e pela palavra, que drama é o dos homens intermitentes que circulam entre o mundo dos vivos e o terror da phisys, organizados num espaço incerto, num tempo flutuante e num imaginário que oscila entre as convenções da tradição e os impulsos da sobrevivência? Num diálogo musculado entre intérpretes e encenador, auscultam-se as formas incertas que nascem da experiência do silêncio, do invisível e do recalcado como a da vida no mar. Os Pescadores assinala, depois de TEATRO EXPANDIDO!, o reencontro de João Sousa Cardoso com o actor Ricardo Bueno, e o reencontro com o actor brasileiro Vinicius Massucato que protagonizou Na Selva das Cidades, longa-metragem co-realizada com André Sousa, integralmente rodada em São Paulo, no início deste ano.

O espectáculo tem a sua origem numa residência artística nas Caxinas, em Vila do Conde, em Junho e Setembro, no âmbito de Circular Festival de Artes Performativas.

Apresentação da criação em processo.

Criação: João Sousa Cardoso | Interpretação: Ricardo Bueno, Vinicius Massucato | Iluminação: Miguel Ângelo Carneiro | Fotografia de cena: Maria Begasse | Direcção de produção: Isalinda Santos | Assistência à produção: Ana Pinto | Co-produção: Confederação, Teatro Municipal do Porto, Centro Cultural Vila Flor | Parceria: Circular Festival de Artes Performativas | Apoio: Junta de Freguesia de Vila do Conde


Biografia

© Ricardo Bueno
24 Setembro | Sáb | 22:45
Rua da Praia, Vila do Conde/Caxinas
Teatro

Duração: 120´


__ 

Gratuito
foto para Lançamento publicação Joclécio Azevedo Lançamento publicação "Intermitências" 28 Setembro | Qua | 19:00
Rivoli Teatro Municipal do Porto
Café Concerto
Conversa
foto para Lançamento publicação
Lançamento publicação "Intermitências"
Joclécio Azevedo
Esta publicação reúne toda a documentação produzida à volta do projecto “Intermitências”, realizado em vários espaços do Rivoli - Teatro Municipal do Porto entre Maio de 2015 e Fevereiro de 2016. O projecto desenvolveu-se através de uma série de curtas residências artísticas intermitentes e interligadas, seguidas de apresentações em processo que convocavam o uso de diferentes espaços do teatro, implicando diversos materiais de construção plástica e coreográfica. O questionamento em torno do uso do tempo e da ideia de “produção” conduziram todas as etapas, construindo um labirinto de propostas de ocupação do teatro, aqui entendido como um conjunto de lugares, como um laboratório permanente do olhar e da acção. Em “Intermitências” propusemos abordar a coreografia enquanto trabalho físico, trabalho que implica a percepção, a repetição, a fabricação do imaginário, a possibilidade de reposicionamento do observador face ao que lhe é apresentado.

Com a presença de Joclécio Azevedo, Jérémy Pajeanc, Tiago Guedes e Paulo Vasques

Co-edição: Circular Associação Cultural e Rivoli – Teatro Municipal do Porto | Concepção e coordenação: Joclécio Azevedo | Textos: Joclécio Azevedo, Jérémy Pajeanc, Kubik (aka Victor Afonso) e Rita Castro Neves | Design gráfico: lina&nando | Tradução: Olga Machado | Fotografias: José Caldeira

Artista Residente da Circular Associação Cultural

Site | Biografia

© José Caldeira

28 Setembro | Qua | 19:00
Rivoli Teatro Municipal do Porto
Café Concerto

Conversa


____

Acesso gratuito
foto para Dança da crise ou talvez ele pudesse pensar primeiro e dançar depois ou como fazer coisas sem dança ou oldschool#40 (2015) João dos Santos Martins Dança da crise ou talvez ele pudesse pensar primeiro e dançar depois ou como fazer coisas sem dança ou oldschool#40 (2015) 29 Setembro | Qui | 22:00
mala voadora.porto (Rua do Almada 277, Porto)
Conferência/Performance/Instalação
foto para Dança da crise ou talvez ele pudesse pensar primeiro e dançar depois ou como fazer coisas sem dança ou oldschool#40 (2015)
Dança da crise ou talvez ele pudesse pensar primeiro e dançar depois ou como fazer coisas sem dança ou oldschool#40 (2015)
João dos Santos Martins
Uma conferência-performance-instalação de e com João dos Santos Martins a convite de Susana Pomba.
Coreografia: Cyriaque Villemaux


Artista Residente da Circular Associação Cultural


Site | Biografia


© Susana Pomba
29 Setembro | Qui | 22:00
mala voadora.porto (Rua do Almada 277, Porto)
Conferência/Performance/Instalação

Duração aprox.: 60´

Classificação etária: M12

__

Bilhetes e reservas
foto para Air-Condition Iñaki Alvarez Air-Condition 30 Setembro e 1 Outubro
Vários locais públicos, Vila do Conde Artes Visuais
foto para Air-Condition
Air-Condition
Iñaki Alvarez
AIR-CONDITION propõe tornar explícito o ar como elemento integrante das nossas vidas colectivas. Actualmente, fazemos parte de um sistema de ar-condicionado, de atmosferas artificiais que tornam a nossa existência possível; perdemos, desta forma, os laços que nos unem como indivíduos, às coisas e ao próprio ar. Esta acção propõe a criação de acções e situações nas quais o ar pode ser protagonista/performer. Trata-se de gerar atmosferas e meteorologias de interior e exterior em constante movimento que permitam rearticular e desfazer categorias aceites como as do corpo, indivíduo, colectivo, humano, não humano, cultura ou natureza. Nesta ocasião serão apresentadas no contexto do Circular Festival de Artes Performativas em Vila do Conde diferentes situações/acções em torno da tensão entre comportamento climático e espaço público, alargando as relações entre o interior, o exterior e além.

Programa e percurso detalhados anunciados brevemente.

Site | Biografia


© Iñaki Alvarez
30 Setembro e 1 Outubro
Vários locais públicos, Vila do Conde
(
programa e percurso detalhados anunciados brevemente)

__

Gratuito


foto para Boca Muralha Catarina Miranda Boca Muralha 30 Setembro | Sex | 21:30
Teatro Municipal de Vila do Conde Dança
foto para Boca Muralha
Boca Muralha
Catarina Miranda
“Aí estavam os mesmos cabelos grisalhos, as mesmas caras violentas, os mesmos olhos brilhantes, a mesma imagem selvagem.”
Myron Stagman in “Shakespeare’s Greek Drama Secret”

Pesquisa cénica que parte de protocolos de confronto e de regulamentações entre dois corpos e um vazio. Constitui-se um vocabulário de gestos relativos a práticas de ataque, defesa e metamorfose, inspirado nas personagens-arquétipo As Fúrias, vistas enquanto ímpeto insaciável de vingança e de justiça, soldados, assassinas, benevolentes. Sobre uma paisagem jurídica, estabele-se um território de correlações síncrones, impondo um desdobramento de anatomias (a armadura-máscara, a superfície eléctrica e a carne). BOCA MURALHA constitui a última peça da trilogia REI e aborda a divinização do estado de confronto e o desejo ontológico de disrupção, a partir do protocolo das artes do espectáculo.
Projecto co-financiado pelo Governo de Portugal / Ministério da Cultura (DGARTES – Tripartido do Porto), SOOPA, Circular e Materiais Diversos. Apoio à Criação - Teatro Municipal do Porto, Teatro Nacional São João, Teatro Virgínia, Centro Cultural Vila Flor, Centro Cultural do Cartaxo, Companhia Instável, Circolando, Casa do Povo de Espinheiro.

Criação: Catarina Miranda | Performance e Colaboração: Catarina Miranda e Luísa Saraiva | Música e Apoio Dramatúrgico: Jonathan Saldanha | Ilustração e Desenho de Cenário: Diogo Tudela | Luz: Catarina Miranda e João Teixeira | Apoio à Comunicação: Diogo Tudela e Jonathan Saldanha | Produção: SOOPA

Site | Biografia

© Jonathan Saldanha
30 Setembro | Sex | 21:30
Teatro Municipal de Vila do Conde
Dança

Duração aprox.: 40´

Classificação etária: M6


__

Bilhetes e reservas
foto para Pulse Constellations Gabriel Schenker Pulse Constellations 30 Setembro | Sex | 22:45
Teatro Municipal de Vila do Conde Dança
foto para Pulse Constellations
Pulse Constellations
Gabriel Schenker
"…a being racing into the future passes a being racing into the past, two footprints perpetually obliterating one another, toe to heel, heel, to toe." (Yeats, A Vision)
[... um ser correndo em direcção ao futuro passa por um ser correndo em direcção ao passado, duas pegadas que se obliteram perpetuamente, do dedo do pé ao calcanhar, do calcanhar ao dedo do pé.]

Pulse Constellations de Gabriel Schenker parte da composição electrónica Pulse Music III de John McGuire, de 1978, uma peça complexa em multi-camadas criada a partir uma imagem sonora de movimentos no espaço. A peça combina uma variedade de batimentos, tempos e melodias na formação de uma sequência de 24 secções distintas mas interligadas, que se misturam de forma abrupta e inesperada. A qualidade dos sons, a saturação da composição e o seu inquieto e constante movimento no espaço trazem uma dimensão cósmica, estelar à peça.
Em Pulse Constellations, o coreógrafo e bailarino Gabriel Schenker desconstrói e reconstrói a complexa teia de camadas pulsantes da composição. Um caleidoscópio de ritmos e coordenadas cruza o seu corpo numa sobreposição de ritmos. Com a sua performance, Schenker explora os limites entre a matemática e o orgânico, a precisão digital da música electrónica e a imprecisão analógica da dança, as fronteiras entre o dançável e o audível. 
Pulse Constellations segue as estruturas de composição de Pulse Music III na medida em que as decompõe em partes menores, seguindo a mesma fluidez e pela adição de linhas melódicas e rítmicas através do espaço auditivo e visual comum.


Concepção, performance: Gabriel Schenker | Música: Pulse Music III, John McGuire | Apoio na investigação artística: Chrysa Parkinson | Produção executiva: Caravan Production (Bruxelas, BE), STUK (Leuven, BE), TAKT/Procinciaal Domein Dommelhof (Neerpelt, BE) | Residências: Tanzhaus Zürich (CH), Charleroi-Danses (BE), BUDA (Kortrijk, BE) | Agradecimentos: Salva Sanchis (Kunst/werk), Pierre Slinckx, Sarah Ludi

Vídeo  |  Site |   Biografia


© Bart Grietens
30 Setembro | Sex| 22:45
Teatro Municipal de Vila do Conde
Dança


Estreia Nacional
Duração: 30'

Classificação etária: M6
__


Bilhetes e reservas
foto para A Caçada Filipe Caldeira A Caçada 1 Outubro | Sáb | 21:30
Auditório Municipal de Vila do Conde Dança
foto para A Caçada
A Caçada
Filipe Caldeira
Quando comecei a imaginar A Caçada, interessava-me a figura primitiva do caçador, de alguém que se prepara para o encontro com a sua subsistência. Queria retomar os espaços antigos, instintivos, onde se movem os predadores e as presas, e sondar o silêncio, a espera, o ritual. Este é um espaço intermédio, entre o território palpável e o imaginário, onde nos lanço a construir uma tapeçaria física e sonora, a viagem possível: a desse caçador que se emaranha no território, se transforma no território; a dessa respiração que se transforma em presa, que chama por ela; a dessa afinidade, dessa pertença estranha mas necessária, para que o entendimento do lugar seja tão certo quanto é certa a necessidade de não voltar de mãos vazias.
Filipe Caldeira

Criação: Filipe Caldeira em colaboração com Constança Carvalho Homem e Catarina Gonçalves | Som: Tiago Ângelo | Luz: Miguel Ângelo Carneiro | Produção: Circular Associação Cultural

Artista Residente da Circular Associação Cultural

Biografia

© Constança Carvalho Homem
1 Outubro | Sáb | 21:30
Auditório Municipal de Vila do Conde
Dança

Estreia Absoluta

Classificação etária: M6
__


Bilhetes e reservas