imagem da secção
Outras Actividades
Derivas Artísticas - Programa de Actividades Pegagógicas
linha
PROGRAMA EDUCATIVO | Circular Associação Cultural



CORPORALIDADE, TEMPORALIDADE E PENSAMENTO

Escola Secundária José Régio
8 de Novembro 2019 - 23 de Março de 2020


Este projecto dirige-se a alunos do ensino secundário e configura-se através de um conjunto de aulas que problematizam as formas como experienciamos o corpo através das suas transformações, das suas articulações no espaço público e privado, da circulação permanente das suas imagens e representações. Os tópicos abordados em cada aula interligam diferentes disciplinas e produzem focos de atenção que tentam permitir a disseminação de olhares em torno do papel do corpo na história, na actualidade, na cultura contemporânea e na prática artística. Cada aula parte da observação ou investigação em torno de fenómenos culturais e políticos, na tentativa de examinar o corpo enquanto elemento disruptivo na vida social, no discurso e nas relações que estabelecemos com os outros e com o mundo ao qual pertencemos. Este ciclo de aulas dialoga com a área de educação para a cidadania e conta com o apoio de professores locais ligados a diversas disciplinas como história, filosofia, artes visuais, economia ou multimédia.

Aulas/intervenções e convidados: The Roof is on Fire, com Juan Luis Toboso; Eu sou um outro, com José Maia; ‘de submisso a político – o lugar do corpo negro na cultura visual’, com Melissa Rodrigues; Por uma ecologia da experiência estética, activação e fracasso do corpo colectivo, com Gabriela Vaz-Pinheiro; Corpo e trabalho, com Luisa Veloso; Campos cruzados e abertos entre performance e documentação, com Rita Castro Neves.

Coordenação: Joclécio Azevedo
Produção: Circular Associação Cultural

Iniciativa no âmbito do Programa Educativo da Circular Associação Cultural




OFICINAS E ESPECTÁCULO LUSCO-FUSCO PARA ESCOLAS DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

Dando continuidade ao trabalho iniciado em 2018 com o 1.º ciclo do Ensino Básico, a Circular propõe em 2019 duas actividades complementares: a realização de uma Oficina e a apresentação de um espectáculo infantil gratuito.
Dirigido a turmas das Escolas EB1 de Azurara, EB1 Bento de Freitas e EB1 da Junqueira e numa perspectiva descentralizadora, este projecto propõe sensibilizar os mais jovens para as práticas performativas e proporcionar a fruição artística e cultural através de actividades lúdicas e reflexivas.

I - OFICINA LUSCO-FUSCO orientada por Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira
Escolas EB1 de Azurara, EB1 Bento de Freitas e EB1 da Junqueira
11 e 12 Novembro 2019


Conteúdos da oficina a partir dos objetivos do espectáculo:
Parte I – à volta das palavras e da filosofia delas
Parte II – à volta dos objectos e da magia do lusco fusco
______

II - ESPECTÁCULO INFANTIL "LUSCO FUSCO" de Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira
13 Novembro 2019, 10:30 + 15:00, Auditório Municipal de Vila do Conde
Sessões escolares com Escolas EB1 de Azurara, EB1 Bento de Freitas e EB1 da Junqueira


Lusco-Fusco surge de um desejo de partilhar uma experiência sobre o vazio e o que ele pode conter. O vazio só contém ar! e o aborrecimento? como é o vazio de estar tudo tão cheio que não encontramos nada? será uma incubadora de acontecimentos? uma descoberta partilhada da matéria e do corpo em que a luz e a transição do tempo nos mostram o que há́ para ver numa relação de escala entre nós – o mundo e os inversos. Lusco-Fusco vê a vontade de ser um bocadinho inventor do seu próprio espanto e para isso desenha um espaço que pouco a pouco se torna numa invasão feita pela matéria que podemos com ela transformar e sermos transformados, mudá-la de lugar, levá-la connosco, arrastá-la e libertá-la. Deixá-la ser invadida por mãos e pés e cabeças que sentem. Os performers organizam o corpo para desaparecer, desobedecer e desaprender com a matéria e habitam um lugar aberto ao sensível e à própria percepção de cada criança.

Para que percorres inutilmente o céu à procura da tua estrela?
Põe-na lá. (in Vergílio Ferreira, Escrever)

Teaser: https://vimeo.com/264628177

Ficha técnica
Direcção e Interpretação Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira Dramaturgia Joana Bértholo Direcção Plástica Rita Westwood Sonoplastia Filipe Lopes Figurinos Jordann Santos Desenho de Luz Cárin Geada Voz off Eduardo Rego Produção Executiva Circular Associação Cultural Agradecimentos Constança Carvalho Homem, Amora Gonçalves Caldeira, Sílvia Barbosa e Luís Filipe Silva Coprodutores Teatro Municipal do Porto, São Luiz Teatro Municipal, Comédias do Minho, Circular Associação Cultural, Teatro Aveirense
Classificação etária: M6 | Duração do espectáculo: 50’


Biografias
Filipe Caldeira (Vila do Conde, 1982). Inicia em 2000 o seu estudo em manipulação de objetos, de uma forma empírica e focada na técnica que serve uma crueza fortemente influenciada pelo circo finlandês. Desenvolve um particular interesse na sinergia entre o corpo e o objecto, reposicionando-se na relação hierárquica entre estes dois elementos. Ao longo dos anos de prática o seu interesse vai-se desviando do virtuosismo técnico, dando primazia ao imaterial, ao corpo e à voz como gatilhos autónomos. Assim o seu posicionamento face ao circo, dança e teatro tornou-se alvo de auto questionamento. Resultando numa linguagem híbrida e num virtuosismo distorcido, de um corpo que se forma e deforma com a experiência.  Em 2005 inicia-se profissionalmente como autor e intérprete e desde então tem participado em projectos nomeadamente com Joana Providência (Catabrisa, 2012); Luciano Amarelo (Malacorpo, 2010); Anna Stistgaard (Meu Coração Viagem,2009; Feliz Idade, 2010); Teatro do Frio (Utópolis, 2010); Radar 360º (Histórias Suspensas, 2011;Baile dos Candeeiros,2008); Companhia Erva Daninha (Fio Prumo, 2008;50 ou Nada, 2010; Aduela, 2013); Casa da Música (Abracadabra 2012); Comédias do Minho (Chuva, 2014; Uivo, 2014); Marco da Silva Ferreira (Brother, 2017). Em 2015 cria o espetáculo Abutre, encomenda da Fundação Lapa do Lobo e “O cão que corre atrás de mim (e o avô Elísio à janela)”, encomenda do Programa para Crianças e Jovens do Teatro Maria Matos com co-produção do Teatro Municipal do Porto. Em 2016 cria, em colaboração com Catarina Gonçalves e Constança Carvalho Homem, “A Caçada”. Atualmente é artista residente da Circular Associação Cultural.

Catarina Gonçalves foca o seu trabalho na dança em contextos que questionam o corpo social/político e a relação entre público/performer. A aproximação à comunidade pauta o seu percurso artístico. Inicia os seus estudos na área da comunicação, licencia-se em educação, pela ESE, Lisboa (2004) e posteriormente em artes do espetáculo - dança contemporânea (2007), na ESD de Lisboa. Foi artista convidada do Projeto EVA (Lisboa, 2010) a intervir nos Bairros 6 de Maio e Armador; criou What the body know’s that we don’t know (2012 DOCK11,Berlin) e Solo em Artistas à Procura de um Abrigo, para o Festival Todos (Lisboa, 2013). Desde 2011 trabalha como colaboradora artística e performer para a dupla Ana Borralho & João Galante em World of Interiors (2011), Sub-reptício corpo Clandestino (2011), Atlas (2012), Purgatório (2012), Estalo Novo (2013), Aqui Estamos Nós (2014), Só Há uma vida e nela quero ter tempo de Construir me e Destruir-me (2015), Gatilho da Felicidade (2017) e Romance Familiar (2019).
Desde 2015 Catarina Gonçalves e Filipe Caldeira começam a co-criar as peças:  O cão que corre atrás de mim (e o avô Elísio à janela) (2015) , encomenda do Programa para Crianças e Jovens do Teatro Maria Matos com co-produção do Teatro Municipal do Porto; Arremesso (2016), Festival Vaudeville em Famalicão, Guimarães e Braga; A CAÇADA (2016) para o Festival Circular de Artes Performativas, Vila do Conde  e Lusco-Fusco (2018) com co-produção do Teatro Municipal do Porto, Teatro Municipal São Luiz, Teatro Aveirense, Circular Associação Cultural e Comédias do Minho.


Organização: Circular Associação Cultural | Parcerias: Escola EB1 Azurara, Escola EB1 Bento de Freitas, Escola EB1 da Junqueira, Junta de Freguesia de Azurara, Junta de Freguesia da Junqueira, Junta de Freguesia de Vila do Conde.
A Circular Associação Cultural conta com o Alto Patrocínio da Câmara Municipal de Vila do Conde e é uma estrutura financiada pela República Portuguesa/Cultura, Direcção-Geral das Artes.

Iniciativa no âmbito do Programa Educativo da Circular Associação Cultural