Se não conseguir visualizar este mail clique aqui.
If you are unable to view this email correctly, please click here.



Circular Festival

Newsletter #183

 


Foto: José Carlos Duarte
"Companhia" de João dos Santos Martins com Ana Rita Teodoro, Clarissa Sacchelli, Daniel Pizamiglio, Filipe Pereira, Sabine Macher

5 de Maio, 19:00 +  7 de Maio de 2019, 22:00
Auditório de Serralves ? Festival DDD (Porto)

Workshop "dança?sujeito?coreografia" por João dos Santos Martins
6 a 10 de Maio 2019
DDD PRO 2019 - Dance Workshops

Companhia marca o reencontro de João dos Santos Martins com a equipa de Projeto Continuado (2015), dando continuidade aos processos de colaboração e investigação então iniciados e marcados por relações de afeto e labor. Companhia investe esteticamente na ideia de dança enquanto trabalho, utilizando, para isso, casos de estudo que examinam, por exemplo, a sistematização do movimento operário na relação estabelecida com as máquinas, de onde surge um conceito de coreografia enquanto tecnologia ou prótese. Em paralelo, reflete-se sobre como determinadas estéticas de dança, de ambições libertárias e democráticas, estão implicadas na redução dos pontos de tensão do corpo, implementando técnicas de eficácia na concretização do movimento, utilização energética e redução de esforço como alternativa ao modernismo rígido e ideologicamente “exterior” ao corpo.
Interessa, com isto, refletir sobre trabalho e bem-estar, a forma como a dança, enquanto cânon de produção recíproca de prazer (do espectador, mas também do bailarino) e difícil de identificar socialmente como labor, interage com os seus modos e agentes de produção. E se a ideia de “companhia” aqui invocada pondera uma forma hegemónica de organização estrutural e administrativa em dança, ela implica também um modo de labor comum: companhia como facto ou condição de ser e estar com o outro, como forma de providenciar amizade ou prazer a um grupo de pessoas numa sociedade.

De By: João dos Santos Martins | Em colaboração com in collaboration with: Ana Rita Teodoro, Clarissa Sacchelli, Daniel Pizamiglio, Filipe Pereira, Sabine Macher | Coreografia e Performance Choreography and performed by: Ana Rita Teodoro, Clarissa Sacchelli, Daniel Pizamiglio, Filipe Pereira, João dos Santos Martins, Sabine Macher | Encomenda Comissioned by: Maria Matos Teatro Municipal | Credores financeiros Loan Lenders:? Ana Rita Teodoro, Associação Parasita, Clarissa Sacchelli, Daniel Pizamiglio, Filipe Pereira, João dos Santos Martins, Sabine Macher | Coprodução Coproduction: Maria Matos Teatro Municipal, Teatro Municipal do Porto | Produção e difusão Production Production and promotion: Circular Associação Cultural | Residências artísticas Artistic residencies: Nave, O Espaço do Tempo, Opart/Companhia Nacional de Bailado/Estúdios Victor Córdon, CCB, Culturgest, Companhia Olga Roriz, SMUP — Sociedade Musical União Paredense, Rua das Gaivotas6, Incrível Almadense, Causas Comuns, Teatro do Eléctrico | Registo fotográfico Photography: José Carlos Duarte | Registo videográfico Video recording: Jorge Jácome e Marta Simões

Company marks the re-encounter of João dos Santos Martins with the team from Projeto Continuado (Continued Project, 2015), giving continuity to the processes of collaboration and research begun at that time and marked by relationships of labour and affection. Company invests aesthetically in the idea of dance as work, using, for this purpose, case studies that, for example, examine the systematisation of the movement of factory workers in relationship to machines, from which emerges a concept of choreography as technology or as a prosthesis. In parallel, it reflects on how certain aesthetics related to dance, with libertarian and democratic ambitions, are involved in the reduction of stress points in the body, implementing techniques of efficiency in the performance of a gesture and the use of energy, leading to the reduction of effort as an alternative to the rigid “modernity” that is ideologically “exterior” to the body.
With this in mind, Company attempts to reflect both on work and well-being, considering the way in which dance, as a canon of production of reciprocal pleasure (of the spectator, but also of the dancer) and thus difficult to identify socially as labour, interacts with its ways of doing. And while the idea of “company” invokes here an hegemonic form of structural and administrative organisation in dance, it also implies a common mode of labour: company as a fact or a condition of existence and of being with the other, as a way of providing friendship or pleasure to a group of people in a society.

 
João dos Santos Martins é Artista Residente da Circular Associação Cultural
João dos Santos Martins is part of the project Artist in Residence - Circular Cultural Association

+ info:
www.serralves.pt
www.festivalddd.com

 



© DR
"Modos de Usar" de Joclécio Azevedo

16 de Abril - 13 de Maio 2019
Oficina coreográfica com alunas das turmas intermédio e adultos da escola de dança do Centro Municipal de Juventude de Vila do Conde

Fevereiro - Dezembro 2019
Residência artística intermitente do projecto + workshop-concerto com o músico Miguel Pipa

Dando continuidade ao trabalho iniciado em 2018, estão a decorrer entre Fevereiro e Maio de 2019 novas acções do projecto “Modos de usar” de Joclécio Azevedo que, este ano, conta com a colaboração da escola de dança do Centro Municipal de Juventude de Vila do Conde, do músico Miguel Pipa e da curadora Eduarda Neves.

De 16 de Abril a 14 de Maio estará a ser realizada uma oficina coreográfica com alunas das turmas intermédio e adultos, cujo resultado será partilhado numa apresentação informal na escola.

O músico Miguel Pipa tem acolhido na sua oficina nas Caxinas uma residência artística intermitente do projecto, cujo objectivo será preparar um workshop-concerto com a comunidade local no segundo semestre de 2019.

Eduarda Neves será a primeira convidada a participar no processo documental que irá acompanhar o projecto, contribuindo para a publicação que irá ser lançada na fase final, em 2021.

“Modos de usar” é um projecto desenvolvido no âmbito da Circular Associação Cultural com a duração de 4 anos (2018-2021) que pretende constituir uma constelação de colaborações com participantes locais em Vila do Conde, desdobrando-se em oficinas, workshops, encontros e apresentações onde se ensaiam formas de colaboração e partilham-se instrumentos de trabalho com artistas convidados. Este projecto constitui-se como um processo orgânico de mapeamento de grupos, associações e estruturas locais que desenvolvem projectos no campo das artes performativas, estendendo-se a participantes profissionais e não profissionais.

Joclécio Azevedo é Artista Residente da Circular Associação Cultural
Joclécio Azevedo is part of the project Artist in Residence - Circular Cultural Association

+ info:
www.circularfestival.com


 

Apoios Circular Festival

 

Esta mensagem é enviada de acordo com a legislação em vigor. Está a receber esta newsletter por ser subscritor da nossa mailling list ou por iniciativa de algum outro subscritor. Se não quiser continuar a receber informações sobre as nossas actividades clique aqui. Para actualização de dados, qualquer esclarecimento sobre este serviço ou para transmitir alguma sugestão, contacte-nos através do e-mail: info@circularfestival.com.