share facebook share facebook

Partilhar

Voltar

Voltar

  • © DR

Rituais de pesquisa | Residência artística e apresentação informal | projeto 'Modos de Usar' de Joclécio Azevedo

Residência artística
11 a 15 de Maio, 10:00-16:30

Apresentação informal
15 de Maio, Sábado, 15:00

Eixo Residência Artísticas - Mosteiró
R. Central 1010, Mosteiró [google maps]


O pedido de reserva deverá ser feito por e-mail para eixoresidencias@gmail.com com a indicação do número de lugares/bilhetes e nome e contacto, até 24 horas antes do início da sessão.
As palavras prática, investigação e ritual podem parecer à partida denominar conceitos distantes entre si, mas na realidade podem ser entendidas como modos de relação entre matérias e processos que formulam ou atravessam a subjetividade. Esta residência tem como objetivo criar um campo aberto de trabalho onde os participantes possam partilhar questões, narrativas, técnicas e memórias dos seus corpos, criando um espaço comum de pesquisa, permitindo a experimentação em torno da performance e da dança enquanto modo de relação entre corpos e não apenas de produção de conteúdos. Este espaço será habitado por metodologias divergentes, por diluição de fronteiras disciplinares e pelo questionamento de papéis e funções dentro do processo criativo.

A iniciativa integra o projecto “Modos de usar” de Joclécio Azevedo, desenvolvido no âmbito da Circular Associação Cultural.

“Modos de usar” é um projecto que questiona a relação dos artistas com os seus métodos e ferramentas de pesquisa, propondo espaços de conversação, da ativação de modos de endereçar o público e de criar ligações com o contexto local de produção.

Em 2021 o projecto integra uma colaboração com o EIXO Residências Artísticas, contando com a participação de alunas da Oficina Zero, programa anual de formação avançada, dirigido por Mafalda Deville e Israel Pimenta.

Participantes: Catarina Corujeira; Cátia Santos; Charlotte Gergaud; Cristina Iglesias; Gracia Ferris; Lea Siebrecht; Mercedes Quijadas; Maria Mora; Naomi Weidmann; Nora Wyss; Salomé Rodrigues; Sara Santervás; Sofia Kafol; Teresa Almenar; Valea Volker; Vanessa Lonau.

Agradecimentos: Sara Couto e Cidália Camarinha (Grupo Share your Green Diamond)



Joclécio Azevedo

Brasil, 1969. Vive no Porto desde 1990. A sua prática artística cruza diferentes interesses como coreografia, curadoria, performance e pedagogia, procurando experimentar diferentes princípios de colaboração. O seu trabalho tenta articular os diferentes papéis que a escrita pode assumir na prática artística, seja como gesto performativo, como modo de apropriação da realidade, como matéria visual ou instrumento de ativação e de registo da performance. Foi diretor artístico do Núcleo de Experimentação Coreográfica entre 2006 e 2011. Artista Residente da Circular Associação Cultural a partir de 2012 e coordenador do programa educativo da associação a partir de 2018. Participa regularmente como formador em diversos programas e instituições como o FAICC – Formação avançada em interpretação e criação coreográfica, da Companhia Instável, a Oficina ZERO ou o Balleteatro Escola Profissional. Atualmente frequenta o doutoramento em Arte Contemporânea do Colégio das Artes (Universidade de Coimbra).

Oficina Zero é um programa intensivo em dança contemporânea, de nove meses de duração, com foco na estruturação de um corpo forte e resiliente para uma mente criativa, e tem como objectivo ajudar a formar bailarinos / performers criativos e ambiciosos. O programa está estruturado em três grandes eixos, por um lado, o fortalecimento físico e habilidade técnica, por outro lado, o incremento e consolidação de processos criativos, e por fim, a robustez na capacidade performativa. O programa faz-se no intercalar entre meses de aulas regulares, laboratórios criativos e meses de workshops intensivos. O programa é versátil e ajustado, ao longo do ano, de forma a ir ao encontro das necessidades do grupo na procura de resultados mais efectivos. Durante o ano são convidados 3 artistas a criarem uma obra original especificamente para os alunos da Oficina Zero.
A Oficina Zero dirige-se a todos os bailarinos e performers que estejam em início de carreira e que pretendam de forma intensiva e imersiva potenciar as suas qualidades na área da dança contemporânea.