share facebook share facebook

Partilhar

Voltar

Voltar

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Margarida Ribeiro

  • © Luís Arandas

ON/OFF de Supernova Ensemble (2023)

A colaboração é prática comum e transversal às diversas áreas artísticas durante o processo de criação, e múltiplas são as direcções que surgem e são promovidas pelas contribuições individuais que exponenciam a criação do trabalho proposto, mas que também em simultâneo contribuem para o avanço da arte, e da arte de cada indivíduo envolvido no processo.
ON/OFF é o resultado de um processo colaborativo de criação/composição pela mão e olho dos membros da equipa envolvidos. É, meramente e apenas, uma visão e reflexão que engloba várias percepções sobre uma visão do espaço presente que nos envolve. O processo criativo facilitou uma exploração de ideias e elementos que foram trabalhados e organizados entre si de forma estrutural, com o objectivo de criar um discurso sólido e correlativo entre música e imagem. Durante a performance, ao longo de períodos de tempo indeterminados, sistemas de IA, e músicos, contribuem para o que pode ser uma referência de visão e viagem perspectivista no tempo. No espaço performativo encontra-se uma câmara de ego que se liga e desliga, como se fosse vista e ouvida. Computamos o futuro recuando no tempo, através de modelos e registos nossos que constituem uma videografia possível.



Direcção Artística: José Alberto Gomes e João Tiago Dias | Eletrónica: José Alberto Gomes | Percussão: João Tiago Dias | Bateria e Percussão: Mário Costa | Saxofone: João Mortágua | Guitarra eléctrica: Miguel Moreira | Artista New Media: Luís Arandas | Designer de Som: Daniel Santos | Composição: SUPERNOVA Ensemble | Agradecimentos: Escola das Artes - Universidade Católica/Porto, Sonoscopia Associação | Co-produção: Circular Festival de Artes Performativas | Supernova Ensemble integra o projecto Artista Residente da Circular
Agradecimentos Circular: Escola das Artes - Universidade Católica, Patrícia Vaz, Hugo Ramos, Curtas Metragens CRL
Duração: 45 min. | M/16

Estreia: 23 Setembro 2023 no âmbito do Circular Festival de Artes Performativas
Supernova Ensemble integra o projecto Artista Residente da Circular Associação Cultural

[Difusão] Contacto: info@circularfestival.com
 
Supernova Ensemble foi criado para ir ao encontro de uma comunidade internacional dedicada à música inovadora em contextos performativos, de Sound Art e New Media. Com um propósito ousado, pretende apoiar novos artistas através da encomenda de obras e performances a desenvolver num novo contexto de trabalho, para atender a novos públicos. Supernova Ensemble pretende construir um ambiente no qual ideias sonoras novas e poderosas fluam livremente entre géneros e media.
A sua programação única e distinta inclui música, obras de teatro musical, dança, projetos com vídeo, música de câmara, ensemble e instalações sonoras.
A programação assentará no convite regular de personalidades artísticas de todos os géneros artísticos (não apenas compositores) que desejem trabalhar com som. Desta forma, o projeto orienta-se para a execução de obras originais, ajustando-se o ensemble às necessidades do(s) artista(s) e da obra artística e não o contrário. Esta flexibilidade é possível graças a uma formação dinâmica, que oscila entre um grupo nuclear e uma formação alargada através do convite pontual a outros artistas. 
O ensemble é composto por artistas de formações e orientações diversas (jazz, clássica, moderna, improvisada, experimental, musical, new media ou tecnológica,...), exponenciando as potencialidades artísticas para servir as necessidades das criações, seja a nível de capacidade de execução e interpretação de uma partitura ou de performance conduzida ou improvisada, como também apoiando a criação, através da aplicação ou consolidação de ideias aos instrumentos. Supernova Ensemble está sediado no norte de Portugal como um projeto artístico independente, incubado no projeto “Artista Residente” da Circular.
 
José Alberto Gomes (Direção artística, Direção, Electrónica)
Nasceu no Porto em 1983. José Alberto Gomes é um músico, artista sonoro e investigador do Porto. Licenciado em Composição, criou laços muito fortes com as novas possibilidades tecnológicas e o papel da música no teatro, cinema, instalações e electrónica na improvisação, tendo especial interesse em procurar novas formas e novos “lugares“ musicais.
Doutorado em Computer Music pela Universidade Católica Portuguesa com a tese Composing with Soundscapes - Capturing and Analysing Urban Audio for a Raw Musical Interpretation, é actualmente docente na Universidade de Aberta e na Escola de Artes - UCP, nas áreas da Arte Digital, Som e Música por Computador. 
Foi curador do projecto Digitópia Casa da Música de 2013 a 2018 e programador do projeto educativo Circuito - Braga Media Arts, cidade criativa da UNESCO, nos anos lectivos de 2018 a 2020.
Mantém uma actividade próxima com a música enquanto performer, compositor, maestro e artista sonoro tendo trabalhado com instituições e agrupamentos como Remix Ensemble Casa da Música, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, FITEI, Journées Européennes du Patrimoine, Fundação de Serralves, Teatro Oficina, TEP, Sonoscopia, Walk&Talk, Hong Kong New Music Ensemble, entre outros. Apresenta-se regularmente em projetos a solo, coletivos ou em parcerias (BlacKoyote, Digitópia Collective, Srosh Ensemble, Hans-Joachim Roedelius, Gustavo Costa, Ricardo Jacinto, Henrique Portovedo, Jon Rose), nas áreas de música e sonoplastia para peças de teatro, vídeo e cinema (From Peter Handke’s Essay about the Successful Day - Teatro da Comuna; Longe - FITEI/Rivoli; Cidade Domingo - Teatro Oficina/Guimarães 2012; Prometeu - Teatro de Formas Animadas; Ínsua - Ruptura Silenciosa), como criador de instalações sonoras (A Perpetuação do tempo sob o presente - Journées Européennes du Patrimoine; Re-Interpretação Urbana - Fundação de Serralves, Substantive Derivative - Emiliano Zelada/Ingresso Pericoloso) e como compositor para electrónica e ensemble instrumental, (Remix Ensemble, Drumming, Nuno Aroso, João Dias, Henrique Portovedo, FactorE, Srosh Ensemble, Orquestra Estúdio).
 
João Dias (Direção artística e Percussão)
Percussionista, licenciado e mestre pela ESMAE (Porto), na classe de Miquel Bernat, Manuel Campos e Nuno Aroso. Iniciou em 2016 o Doutoramento em Artes Musicais na variante de Prática Instrumental, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Atualmente é bolseiro de Doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). Enquanto intérprete, tem dedicado grande parte do seu tempo ao Drumming Grupo de Percussão (DGP) desde 2004 (grupo fundado em 1999, e desde então tem-se afirmado como um dos mais importantes coletivos do género, vocacionado para a música contemporânea) onde tem um papel ativo enquanto intérprete e mediador na colaboração com compositores na criação de novas obras para o grupo, tendo estreado dezenas de obras de compositores de várias nacionalidades. Com o DGP participou na gravação de oito CD's monográficos dedicados à obra para percussão dos compositores registados, e participou em mais três não assinados pelo grupo. Integrou a European Youth Orchestra (2006-2009) onde trabalhou com Vladimir Ashkenazy, Rainer Seeguers (Berliner Philharmoniker) e Simon Carrington (London Philharmonic Orchestra). Como solista, desenvolveu a pedido do diretor artístico do Festival Música Viva, Miguel Azguime, o projeto a solo “Caixa Elétrica” em 2016, projeto inteiramente dedicado á música nacional que serve também como motor de disseminação da música portuguesa para percussão solo dentro e fora do país, como é o caso de uma das suas apresentações no Darmstadt Summer Course em Julho de 2018. Em 2018 consegue apoio do Criatório (plataforma de apoio à criação artística da Câmara do Porto) para criar o projeto a solo: DiRE-SoNo: “Discursos de (R)Evolução do Som no Espaço”, projeto direcionado para a criação de nova música que envolve em mediação um coletivo de cinco compositores com o performer. É investigador do GIMC - Grupo de Investigação em Música Contemporânea do CESEM, onde dedica particular interesse na mediação/colaboração entre compositor e intérprete na criação de nova música para percussão. É também membro do Sond'Ar-te Electric Ensemble, e colabora com Remix Ensemble, Orquestra Sinfônica da Casa da Música, Orquestra Gulbenkian entre outros. É docente na Universidade de Aveiro.

João Mortágua (sax alto, soprano, tenor e Barítono)
Saxofonista, compositor e improvisador residente em Coimbra; leciona as disciplinas de Saxofone e Combo no Curso de Jazz do Conservatório de Música da cidade.
Gravou cinco álbuns em nome próprio: “Janela” (2014), “Mirrors”, “AXES” (2017), “Dentro da Janela” (2019) e "MAZAM : Land" (2020), todos através do carimbo Porta Jazz. Toca regularmente com Nuno Ferreira, André Fernandes, Carlos Bica, André Santos, Filipe Teixeira, Hugo Raro, Nelson Cascais, Paulo Santo, Bruno Pernadas, Jeffery Davis, Alexandre Coelho, Miguel Calhaz, Gonçalo Moreira e Bernardo Moreira, entre outros. Co-lidera os duos Kintsugi (com Luís Figueiredo, cujo disco foi recentemente lançado) e STAU (com Diogo Alexandre), o trio Quang Ny Lys (com Mané Fernandes e Rita Maria), e o Ensemble Mondego (com Ricardo Formoso). Tem ainda na manga os álbuns de estreia do seu Math Trio (com Diogo Dinis e Pedro Vasconcelos) e do seu projeto a solo - HOLI. Fez os seus estudos no Conservatório de Música de Aveiro e frequentou workshops de jazz em Siena, Begues e Guimarães; licenciou-se na Esmae (Porto) em 2009. Em 2017 foi considerado Músico do Ano nos prémios RTP/Festa do Jazz. O seu álbum "Dentro da Janela" foi eleito Disco do Ano pela jazz.pt e pela JazzLogical, arrecadando ainda o galardão de Melhor Álbum Jazz nos Prémios Play da Música Portuguesa. Nos últimos anos têm mantido uma intensa atividade de gravações e concertos, maioritariamente em Portugal e Espanha; ainda em 2019 atuou nos festivais de jazz de Münster, Südtirol, Belgrado e Angra do Heroísmo com o seu sexteto AXES, que editará em breve o seu segundo álbum, "Hexagon".
 
Miguel Moreira (guitarras) 
Miguel Moreira guitarrista e compositor é um dos mais destacados músicos da comunidade jazzística em Portugal, reconhecido pela sua criatividade e abordagem tímbrica da guitarra.
Gravou em edições discográficas e tocou nas mais importantes salas do país com Mário Santos (Nuvem), José Pedro Coelho Quinteto (Clepsidra), Remix Ensemble sob direcção de Peter Rundel e Brad Lubman, Drumming GP (Miquel Bernat), João Mortágua (Janela) (Dentro da Janela),Salgueirinha (Filipa Santos), Miguel Ângelo (M.A.U.) Paulo Gomes (Map), Chris Cheek, Orquestra de Jazz de Matosinhos, Seamus Blake, Richard Bona, ensemble United Instruments Of Lucilin (Luxemburgo) entre outros.
Em sexteto gravou "Câmbio" o seu primeiro trabalho discográfico como líder e compositor, que teve a sua estreia no Ciclo Novos Valores do Jazz na Casa da Música.
Foi artista residente no Festival Guimarães Jazz /Porta-Jazz 2019 onde estreou e gravou o seu mais recente registo “The Darkness of The Unknown” aclamado pela critica como um dos melhores do ano 2020 pela Jazz.pt e editado pelo carimbo Porta-Jazz.
 
Daniel Santos (Som)
Daniel Santos é técnico de som na Fundação Casa da Música desde 2012 e produtor musical e engenheiro de gravação freelance desde 2008.
Os seus estudos musicais tiveram início na Academia de Música de Sandim com o Professor Francisco Claro na classe de guitarra e culminaram na Licenciatura Bietápica de Produção e Tecnologias da Música em 2007 na Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo.
Depois de alguns anos em regime freelance onde prestou serviços de gravação, mistura e sonorização é convidado a integrar a equipa da Casa da Música, com quem colabora desde 2008, enquanto técnico de som. Teve oportunidade enquanto funcionário da casa da música de aplicar os seus conhecimentos nas áreas de sonorização de concertos, assim como de gravação de vários “ensembles” e assistência musical a gravações.
Enquanto profissional em regime freelance foi responsável por várias edições discográficas nas áreas da música erudita e tradicional como o agrupamento Capela Duriensis (Naxos 2013, 2014 e 2016) e Cardo Roxo (Edição autor 2014, 2015, 2017 e 2019 ) entre outros.
 
Luis Arandas (New Media Artist)
Artista média e investigador baseado no Porto. Luís Arandas está de momento a realizar o doutoramento UTAustin/Portugal em Digital Media associado ao INESC-TEC e é investigador participante do projeto Xperimus na Universidade de Aveiro. Anteriormente no Braga Media Arts, é mestre em Design de Som e Música Interactiva pela Universidade do Porto e licenciado em Som e Imagem pela Universidade Católica Portuguesa. O seu trabalho centra-se em temas como a inteligência artificial, performance artística, novos média na arte e tecnologias da música. Luís apresentou instalações e explorações performativas em locais como Fabbrica del Vapore, Dokkhuset Scene, NTNU, gnration e Teatro Municipal do Porto através de eventos como eNTERFACE, ICLI, ICCC, SIIDS, xCoAx, WAC, Criatech, festival Orbits e festival Semibreve.
 
Mário Costa (Bateria e Percussão) 
Natural de Viana do Castelo, Mário Costa é uma das principais referências do jazz contemporâneo e da bateria em particular, tendo frequentado o curso profissional de música em Trompete e Percussão na EPMVC, e licenciado em Jazz pela ESMAE, sob orientação do professor Michael Lauren. Apresenta um percurso musical ao longo dos anos com mais de 400 concertos realizados enquanto baterista de artistas como António Zambujo, Miguel Araújo e Ana Moura - com quem tem actuado em algumas das mais prestigiadas salas do mundo. Em simultâneo tem integrado ininterruptamente diversas formações de jazz nacionais, como o Ensemble Super Moderne, Gileno Santana Metamorphosis e Hugo Carvalhais Nebulosa. Com as gravações dos álbuns do contrabaixista Hugo Carvalhais, “NEBULOSA” (CleanFeed 2010) e “PARTICULA” (CleanFeed 2012), introduz-se à crítica nacional e internacional, tendo a oportunidade de colaborar e tocar com os Saxofonistas Tim Berne, Emile Parisien e Liudas Mockunas, e o violinista Dominique Pifarély. Em 2015 é convidado a integrar o novo projecto da revelação do jazz europeu:  Emile Parisien, ao lado dos lendários Michel Portal e Joachim Kuhn, estreando esta formação no aclamado festival: Jazz in Marciac 2015. Em 2016 este projeto lança o seu primeiro disco “Sfumato” (ACT), premiado e aclamado pela critica internacional; e tem-se apresentado desde então nos mais prestigiados festivais de jazz e salas da Europa, reunindo alguns dos mais conceituados músicos do panorama internacional, tais como: Wynton Marsalis, Bruno Chevillon, Manu Codjia, Vincent Peirani, Michael Wollny, Theo Ceccaldi, Roberto Negro, Simon Tailleu, Pierre Perchaud, entre outros. Sfumato recebeu o título de "Álbum Sensation” – Disco do Ano em 2017 nos aclamados prémios da música francesa “Victoires du Jazz”. Em 2018 esta formação lança o seu segundo disco CD + DVD “Sfumato Live in Marciac” (ACT 2018), que imortaliza o nome do baterista português (Costa) ao lado de grandes figuras do jazz mundial, como Wynton Marsalis, Joachim Kuhn e Michel Portal. 
Em 2018, Costa lança Oxy Patina, o seu álbum de estreia em nome próprio e como compositor pela editora CleanFeed, álbum que recebeu nota máxima pela revista Jazz.pt e lhe atribuiu os títulos de “melhor disco do ano” e “músico de jazz nacional do ano”. Neste álbum, gravado em trio, contou com duas figuras incontornáveis do jazz europeu: ao piano, Benoît Delbecq, e à guitarra, Marc Ducret. Em 2020 é convidado a juntar-se ao quarteto do saxofonista inglês Andy Sheppard que conta com a presença do guitarrista norueguês Eivind Aarse, e do contrabaixista francês Michel Benita.